terça-feira, 27 de agosto de 2013

"Como fazer" especial para as mulheres!

Nós mulheres somos conhecidas por consumirmos demais, mas também somos ótimas em darmos nossos truques. Quem nunca reaproveitou aquele vestido longo e o fez curto? Se aventurou em fazer da calça velha um shorts? Testou uma lavagem diferente em uma camiseta? Se temos o instinto de proteção aflorado, por que não o instinto de proteção e preservação do meio em que vivemos?
Confira as dicas de reutilização e recuperação de alguns objetos do nosso cotidiano:


* Limpar marca de caneta das bonecas 

1º passo - Passe pomada (Acnase) nos locais manchados;
2º passo - Deixe a boneca no sol cerca de 3 horas;
3º passo - Remova tudo com um pano úmido.



*Como limpar o ferro de passar

Uma boa dica para deixar seu ferro sujo com cara de novo é colocar um punhado generoso de sal sobre uma folha de papel ou um pano qualquer e esfregar o ferro bem quente em cima do sal. O ferro ficará limpo e é só passar um pano úmido para poder utilizá-lo normalmente.

Foto: A pedidos, vai uma dica de como limpar o ferro de passar. 

Para limpar a base do seu ferro sujo, coloque um belo punhado de sal (qualquer tipo) sobre uma folha de papel, ou um pano qualquer. Esfregue o ferro bem quente em cima (do sal). Vai limpar tudinho e ficará como novo. Depois é só passar um pano úmido.

*Tic Tac versátil

Podemos ir além de só comer as balinhas tic tac... nela podemos guardar semestes, temperos, grampos, agulhas, miçangas e qualquer outro tipo de material pequeno que tenha facilidade de se "esconder" por aí.




*Cotovelos de PVC

Já pensou em usá-lo como pendurador de bijuterias, vaso, organizador de penteadeira, local para apoiar a chapinha ou secador? Pintando ele, torna-se um objeto moderno para ir além dos encanamentos de casa.

Foto: Idéias com cotovelos de PVC.


Mariana de Andrade

domingo, 2 de janeiro de 2011

Para onde vai seu lixo no Natal?

Como foram suas comemorações de final de ano? A tradição natalina associa o final de ano ao hábito de presentearmos uns aos outros. Mas para manter um certo suspense no ar, é bem visto valorizar o presente com um embrulho atraente.

Lixeira Urbana quer saber: onde estão ou para onde foram essas embalagens ?


O destino mais comum para caixas e papéis de presente é a lixeira. E por causa disso, a embalagem pode sumir de cena nos próximos Natais e demais comemorações...

Se o pacote especial que guarda a surpresa lhe parece algo indispensável, que tal as dicas a seguir:
* Abra o embrulho com cuidado. Dessa forma, aquilo que poderia virar lixo pode eventualmente ser reaproveitado.
* A loja onde a lembrança foi adquirida possui uma sacola própria? Ela pode substituir os papéis de presente e é mais facilmente reutilizada.
* Para os mais criativos e despojados, criar caixas ou papéis de embrulho a partir de itens que seriam descartados também é uma alternativa interessante. Caixas de leite ou de remédio podem ser limpas e transformadas em caixas personalizadas, por exemplo.

Gostou da postagem? Tem mais idéias de como eliminar o desperdício na hora de presentear? Comente!

Manuela Parisi

sábado, 11 de dezembro de 2010

“Ninguém fica perto dos catadores, confia ou dá atenção”, desabafa João Batista dos Santos André


Morador de rua diariamente observa Rua Amaral Gorgel.

 O Brasil produz cerca de 230 mil toneladas de lixo por dia, porém apenas 4300 toneladas são destinadas à coleta seletiva. Quem se encarrega de fazer este trabalho são cerca de um milhão de catadores que vêem nessa atitude uma forma de sustento.
Há projetos na região de Higienópolis que estimulam a reciclagem, porém moradores confessam que não há divulgação por parte da Associação de Moradores e Amigos do Pacaembu, Perdizes e Higienópolis , (Amapph). Projetos estes como o Cooper – Rua Recicla no Bairro de Higienópolis - que visa essa cooperação entre os catadores de lixo e condôminos, onde os condôminos se encarregam de separar o lixo, enquanto o catador se responsabiliza pela coleta seletiva. Consolação, Higienópolis, Santa Cecília, Sé e Vila Buarque são exemplos de alguns pontos de coleta seletiva da região. Em contrapartida à acusação dos moradores pela falta de divulgação, os integrantes do Cooper entregam cartilhas para os condomínios para tornar-se claro as propostas do projeto.
 
Outra proposta na região da cidade é o projeto Reciclazáro, desenvolvido em muitos bairros de São Paulo. Dele desenvolvem-se programas como Coleta Seletiva e a Cooperativa de Reciclagem, cujo objetivo é resgatar ex-moradores de rua, catadores de materiais recicláveis e dependentes químicos verem na coleta seletiva uma profissão. “Desde que vim para São Paulo, os prédios em que morei nunca houve coleta seletiva. Em São Vicente sempre tive o costume de fazer coleta, uma prática também incentivada pela prefeitura. Existe um projeto lá parecido com esse e dá muito certo, melhorou a qualidade de vida dessas pessoas”, lembra Flávia Santos Silveira, 22 anos, moradora da Rua Mauá.
 
Conforme denúncias de moradores a coleta não é incentivada onde moram. “No meu condomínio não adianta separar o lixo, pois ao ser despejado é misturado com outros sacos”, afirma Jefferson Amancio, 30 anos, morador da Rua General Jardim; e Ana Florinda, 20 anos, moradora da Rua Mauá que diz que já ter brigado para haver coleta no prédio onde mora, mas não adiantou. “O zelador alega que há um maior gasto para tornar-se sustentável”. Em contraste com os outros entrevistados, Paulo Cesar Vieira, 20 anos, morador da Alameda Nothman, confessa ter coleta seletiva em seu prédio e acha horrível ter que separar o lixo, pois acha trabalhoso.
Catador João Batista dos Santos André – Praça da República

Já o morador de rua, João Batista dos Santos André, 59 anos; ele que encontra como forma de sustento há um ano e meio, pegar latinhas e papelões, na região do bairro República e vender no Largo Coração de Jesus. Entretanto, só os recolhe da rua, pois dificilmente é solicitado para recolher das casas ou condomínios das pessoas. “Ninguém fica perto dos catadores, ninguém confia ou dá atenção”, desabafa o homem já conformado.

“Existem muitos catadores por onde moro, porém não existe convívio entre os moradores do bairro e eles”, declara Paulo César, servindo de comprovação sobre o que havia sido dito por João Batista. 
Esse tipo de situação ainda prevalece apesar de incentivos e projetos que são criados.

Mariana de Andrade

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Na mídia : Lixo bloqueia estrada

Lixo irregular foi notícia novamente hoje, 15, na Folha de S. Paulo, caderno Cotidiano. Confira:

Lixo jogado próximo a lixão bloqueia estrada na Bahia
FELIPE LUCHETE
DE SÃO PAULO

Uma estrada que liga o município baiano de Ibicaraí (499 km de Salvador) à rodovia BR-415 está bloqueada por acúmulo de lixo. A via fica próxima a um lixão. Como a área está cheia, caminhões descarregam lixo no entorno.
O mestre de obras Adnilson Oliveira Santos, morador de um bairro próximo à estrada, reclama que tem "mosca entrando na boca da gente". Ele calcula que o lixo cubra uma extensão de aproximadamente 500 metros.
Por causa do lixo, o produtor rural José Carlos Guimarães Santos precisa dar a volta pelo centro da cidade para entrar em sua fazenda.
O acúmulo na estrada começou há cerca de dois meses, estima o fazendeiro.
Ele afirma que o lixo invadiu sua propriedade e acabou atingindo uma represa.
A causa de tudo isso foi a quebra de máquinas que fazem a limpeza, diz o prefeito Lenildo Santana (PT). Ele afirma que a retirada do lixo na estrada será feita "em poucos dias". A ideia é contar com um terreno baldio da prefeitura, ao lado do lixão.

(Adicionado por Manuela Parisi)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Aprenda a fazer produtos de limpeza biodegradáveis


Para que nos desfazermos de produtos que venham poluir o meio ambiente?
Ou mesmo, para que utilizarmos produtos de limpeza nocivos ao meio ambiente se podemos produzí-los de forma a proteger o meio onde vivemos?
 

Já parou para pensar que 1 LITRO de óleo de cozinha polui 1 MILHÃO DE LITROS de água?
Então! Confira a receita para aproveitá-lo e fazer sabão:




Ingredientes:
5 litros de óleo de cozinha usado
200 mililitros de amaciante
2 litros de água
1 quilo de soda cáustica em escama
 
Modo de preparo:

Com cuidado, ponha a soda em escamas no fundo de um balde plástico. Depois, adicione a água fervendo e mexa até diluir a soda. Acrescente o óleo e continue mexendo. Misture bem o amaciante. Jogue a mistura em uma forma. No dia seguinte, cortar as barras de sabão.

_________________________________________________________________________Como a maioria dos detergentes disponíveis no mercado também possui fosfatos em sua formulação, que são substâncias que levam ao crescimento exagerado de algas que consomem o oxigênio da água. A opção é usar um detergente ecologicamente correto, veja a receita:

Ingredientes:
1 pedaço de sabão de coco neutro   
6 litros de’água
2 limões
4 colheres (sopa) de amoníaco



Modo de preparo:
Derreta o sabão de coco, picado ou ralado, em um litro de água. Em seguida, acrescente cinco litros de água fria. Depois, esprema os limões sobre a mistura. Por último, despeje o amoníaco e misture bem. Guarde o produto resultante em garrafas e utilize-o no lugar dos similares comerciais.
________________________________________________________________________

A maioria dos desinfetantes são tóxicos para o meio ambiente. Veja como fazer um produto de limpeza natural para limpar a sua casa:

Ingredientes:
1 litro de álcool (de preferência de 70º)
1 sabão caseiro
4 litros de água
Folhas de eucalipto 

Modo de preparo:
Deixe as folhas de eucalipto de molho no álcool por dois dias. Ferva 1 litro de água com o sabão ralado, até dissolver. Junte a água e a essência de eucalipto. Engarrafe.




Mariana Andrade

Estatísticas do Lixo

Alguns dados e estatísticas sobre a produção de lixo por cidadão e descarte.

video

Mariana Ramalho

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Lixeira Urbana Entrevista: Destino correto

Entrevistamos o Engº. Geotécnico Fernando Medeiros Marinho, da Escola Politécnica da USP, para esclarecer conceitos sobre os possíveis destinos finais para o lixo.

  • Lixão? Aterro? São regulares? Qual predomina? Qual é o mais correto, quando nos referimos ao meio ambiente?
  • Como podemos contribuir para um descarte mais adequado?
  • Falta conscientização, por parte da população, e punição, por parte dos governos às empresas que não respeitam as leis?

Entrevista: Milena Buarque / Gravação: Jéssica Nascimento



Milena Buarque

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Para onde vai o lixo? - Parte III

Juntos para reverter a situação


Você sabia que o Brasil produz cerca de 228,4 mil toneladas de lixo por dia, porém apenas 4.300 toneladas são destinadas à coleta seletiva? Cidadãos alegam dificuldade para a entrega dos resíduos, pois muitas vezes o posto de coleta fica longe de suas casas.
Existe coleta seletiva em cerca de 135 cidades brasileiras, de acordo com o professor Sabetai Calderoni (autor do livro Os Bilhões Perdidos no lixo Ed. Humanitas). Porém na maior parte dos casos ela é realizada pelos Catadores, cerca de 1 milhão de pessoas que vêem na reciclagem uma forma de sustento, muitas vezes trabalhando em condições precárias.
A redução de padrões sociais de consumo, a reutilização dos materiais e a reciclagem, têm como meta diminuir o número de materiais de difícil decomposição, aumentar a duração dos aterros e evitar maior poluição do ar e da água.
Nós do Lixeira Urbana, queremos principalmente informar a vocês leitores, locais onde possam descartar seu lixo de maneira correta, sem afetar solo, água ou ar e também ensinar receitas fáceis para reaproveitamento do seu lixo, assim não prejudicando o meio ambiente.

Tempo de decomposição de resíduos


Mariana de Andrade

Para onde vai o lixo? - Parte II

Alternativa de destino

A três quilômetros da pequena cidade de Itaberá, interior do Estado de São Paulo, encontramos o aterro sanitário do município. 
O aterro é uma das alternativas mais seguras para destinação de resíduos sólidos provenientes de residências, construções, hospitais e indústrias.  Desde que sejam empregados conceitos técnicos de engenharia em sua concepção e projeto e, principalmente, na sua implantação e manejo.
No munícipio visitado vê-se logo que muita parte do seu lixo é formada por não recicláveis. Todavia, como a coleta seletiva ainda não acontece perfeitamente, é uma pena acharmos nos aterros vidros, metais, plásticos e papéis.
A escolha de uma instalação distante é devido ao mal cheiro e, principalmente, à possibilidade de contaminação do solo e de águas subterrâneas. Mas claro, que isso só ocorre se o local não possuir as condições adequadas de operação. No Brasil, na maioria das casos, observamos condições inadequadas e insatisfatórias.  
Há, atualmente, normas rígidas que regulam a implantação de aterros sanitários, como: controle da quantidade e tipo de lixo, sistemas de proteção ao meio ambiente e monitoramento ambiental.
Mesmo com erros na sua construção, muitas cidades optam pelo sistema como Itaberá, pois os aterros sanitários solucionam parte dos problemas causados pelo excesso de lixo gerado nas cidades.
Todavia infelizmente, o que mais se vê é o lançamento a céu aberto, sem qualquer medida de proteção ao meio ambiente ou à saúde pública.

Figura Esquemática de um Aterro Sanitário

Gabriel Monteiro

Para onde vai o lixo?

Depois de recolher as sacolinhas de todas as lixeiras da casa, basta levá-las até a enorme lata de lixo do prédio ou simplesmente colocá-las no poste mais próximo do portão e não precisamos mais pensar nessas coisas! Jogamos fora!
Produzimos muita coisa que deve ser eliminada. Gostaríamos que esses resíduos simplesmente sumissem, desaparecessem de bom grado.Porém, nada é tão simples assim.
Para onde vai o lixo que eu produzo, que você produz, que nós produzimos?
O Lixeira Urbana preparou um vídeo para refletirmos sobre essa questão. Confira!



Manuela Parisi

Um olhar sobre o lixo

video

Um olhar sobre o lixo da cidade.
O que passa normalmente despercebido pode ter uma mensagem, uma reflexão. Podemos pensar o lixo de diferentes formas.
Ele pode ser sustento, pode ser hístória, denúncia, momento, arte etc. O  lixo pode ser TUDO e ter TUDO, como também pode ser NADA e ter NADA.... lixo.

 Jéssica Nascimento
 

Lixo X Consumo

Muitas das mercadorias que utilizamos hoje parecem ter sido feitas para durar pouco... Não é preciso muito tempo para uma roupa se desgastar, um eletrônico dar defeito ou se tornar obsoleto. Diante disso, somos impulsionados a consumir as novidades e, consequentemente, eliminar as velharias...

Lixeira Urbana acompanhou um churrasco de família onde essa discussão entrou na roda de conversa.

video
Manuela Parisi

Eles vivem daquilo que descartamos

No nosso meio social, estamos em contato permanente com pessoas que de maneira direta ou indireta contribuem para o nosso convivio social; são os garis; pessoas que fazem artesanato com o lixo, os catadores, enfim aqueles que vivem daquilo que descartamos.O que falta é o  reconhecimento desse trabalho por parte das pessoas; podemos afimar que ainda existe preconceito.
Os catadores fazem parte do setor produivo da sociedade, mas um setor não tão reconhecido nem visto ainda com bons olhos.
No entanto, eles exercem um seviço muito importante de utlidade pública e merecem mais respeito e a regulamentação do seu trabalho.

video

Ele ajuda a reciclar e reutilizar o meu lixo e o de muitas outras pessoas

Esse é um pequeno depoimento de um catador chamado Nivaldo.
No dia em que o encontrei, percebi no seu carrinho muito papelão e também alguns materias de plástico tinha até um tanquinho que parecia em boas condições. Ele afirmou que vendia a  maioria das coisas e que já encontrou pelo seu caminho diversos objetos de valor, inclusive dinheiro.

Jéssica Nascimento

LIXOnaRUA: De quem é a culpa?

Prefeitura investe em diferentes canais de comunicação para atender o cidadão e responder questões sobre a administração pública e serviços oferecidos. Na área de limpeza urbana, apesar do sistema de concessão que coloca as empresas EcoUrbis e Loga sob a responsabilidade de coletar e armazenar corretamente o lixo produzido, as funções de atendimento ao público e fiscalização do serviço ainda cabe ao governo municipal.
No site da Prefeitura de São Paulo, o munícipe encontra informações detalhadas sobre o funcionamento do Limpurb, além de conhecer as alternativas oferecidas pelo governo para as famílias que decidirem separar o lixo doméstico. Operação Cata-Bagulho e EcoPontos são outros programas públicos que auxiliam o cidadão a conduzir seus resíduos ao fim mais adequado.
Mais informações:
Site do Departamento de Limpeza Urbana da Prefeitura

LIXEIRA URBANA pergunta: De quem é a responsabilidade pelo lixo urbano?
A reportagem acima sinaliza uma parceria entre cidadãos e governo.

Porém, o que temos visto na vida prática?
Na última eleição, centenas de candidatos procuraram convencer seus eleitores distribuindo santinhos, espalhando cavaletas de propaganda pelas ruas, etiquetando bens públicos... Por outro lado, milhares de brasileiros que receberam esse material atiraram os papéis na calçada e agravaram a sujeira e imundice estabelecida.
Deixe sua opinião, comente!

Problemáticas do Lixo: Enchentes

O lixo que se acumula nas ruas e nos rios de São Paulo é um dos responsáveis por intensificar o efeito das enchentes na cidade, como mostra a repórter Manuela Parisi.

video

Mistérios do Lixo

Caminhando pelas ruas da cidade, a equipe do Lixeira Urbana encontrou algo bem diferente descartado num canto qualquer. Aquilo que foi jogado fora se transformou na rádionovela "Mistérios do Lixo", que você confere a seguir. Ao final, não perca a fotografia do lixo misterioso que deu origem à novela!

Ouça agora essa história exótica e divertida!

LOVE STORY by milenabuarque

Ficha Técnica da Novela "Mistérios do Lixo"
Roteiro: Manuela Parisi

Narração Inicial: Diego Félix (participação especial)
Juliana Creuza: Milena Buarque
Mãe: Jéssica Nascimento
Joana Crotilde e Narração : Manuela Parisi

Fotografia: Manuela Parisi



Cadê a Lixeira?

Após palestra da Mostra de Pesquisa CCL/CNPq, o coquetel aberto ao público demonstrou o grande volume de lixo que é produzido e a forma como isso pode passar despercebido. Na recepção, naturalmente, foram utilizados guardanapos e copos plásticos. Porém, havia apenas uma lixeira no local, o que estimulava o acúmulo dos resíduos ao longo das mesas reservadas para disposição de comidas e bebidas.
Ainda que justificado pelo número insuficientes de recipientes para descarte, deixar descartáveis e restos de alimentos espalhado pelo ambiente levanta outra questão: quem é responsável por recolher o lixo produzido? A limpeza é um dever pessoal ou é sempre lícito delegar essa função a outros? Fora de um contexto onde há encarregados para eliminar a sujeira do ambiente, qual é a postura mais comum: responsabilidade ou negligência com os resíduos produzidos?
E você, leitor, o que pensa sobre esse assunto? Como acontece no seu dia-a-dia? Comente e conte mais para a equipe do Lixeira Urbana!

 

Lixeira Urbana Lá em Casa

Invadimos um churrasco de família e conferimos quanto lixo é produzido durante os dias de festa. Em meio às comemorações, dificilmente lembramos da enorme sacola de imundices que serão recolhidas no final...

video